joão gilberto vaz joao gilberto vaz

Teste para 2014: Mané Garrincha sofre com protestos, bares e assentos

Comida acaba, mas Fifa garante que problema foi resolvido. Torcedores reclamam de ingressos caros no alto e outros não encontram seus lugares

Bombas de efeito moral, tiros com bala de borracha e muita correria. Em alguns momentos, o entorno do Estádio Mané Garrincha se transformou em um verdadeiro campo de batalha neste sábado, pouco antes da vitória do Brasil por 3 a 0 sobre o Japão, pela abertura da Copa das Confederações, em Brasília. Dentro do estádio, problemas que já tinham acontecido nos eventos-teste realizados voltaram a atormentar os torcedores, como cadeiras inexistentes, longas filas nos bares e falta de alimentos. Problemas de organização que terão um ano para serem resolvidos e não prejudicar a Copa do Mundo de 2014.

O principal problema na organização da partida deste sábado começou cedo, fora do estádio. Seguindo a onda de protestos que tomou conta de capitais como São Paulo e Rio de Janeiro nas últimas semanas, estudantes de Brasília organizaram uma grande movimentação próximo ao Mané Garrincha. Com cartazes contra a realização dos grandes eventos esportivos no Brasil, cerca 500 manifestantes iniciaram às 10h da manhã uma caminhada da Rodoviária de Brasília em direção ao estádio.

No início, o protesto foi pacífico e controlado pela polícia. No entanto, por volta das 12h, quando os portões do estádio foram abertos, os manifestantes conseguiram ocupar o estacionamento e se posicionaram próximo aos acessos dos torcedores. A princípio, as forças de segurança apenas cercaram os protestantes, que tentavam se movimentar em frente aos portões. Mas depois de cerca de duas horas de clima tenso no local, a polícia começou a reagir com bombas de efeito moral e balas de borracha, gerando grande correria entre torcedores que aguardavam para entrar no estádio.

Protesto Brasilia Mané Garrincha Fumaça (Foto: Reuters)

– Estava na fila com minha esposa e meu filho quando começou a correria. Carros passando, cavalos vindo em nossa direção. Ficamos assustados. Acho que todos têm o direito de protestar, até concordo com algumas das reivindicações. Mas tem que ter mais consciência por parte dos manifestantes e da polícia porque tem muita gente que não tem nada com a história em perigo – afirmou o servidor público Alan Kennedy.

Com a reação da PM, por volta das 14h30, os manifestantes estavam dispersos e a situação aparentemente tranquila. Porém, rapidamente, cerca de 200 se runiram novamente e voltaram a se aproximar dos portões de entrada do estádio. A polícia reagiu mais uma vez e a confusão recomeçou. A cada investida da tropa de choque da PM, os estudantes ser espalhavam, mas poucos minutos depois se agrupavam e continuavam os protestos.

Apenas por volta das 15h30, o clima começou a tranquilizar novamente no entorno do estádio. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, pelo menos 19 manifestantes foram presos e 10 menores de idade apreendidos. Mais de 50 pessoas também ficaram feridas entre protestantes e policiais militares. Segundo a Secretaria de Saúde do DF, ninguém em estado grave.

Filas andam rápido na entrada, mas bares falham

Ao contrário dos eventos-teste realizados no Mané Garrincha (final do campeonato candango e Flamengo 0 x 0 Santos pelo Brasileirão), as filas nos portões de entrada do estão não foram um grande problema. A maioria dos torcedores chegou cedo e levou menos de 30 minutos para passar pelos detectores de metais. Por volta das 13h30m, algumas filas ficaram maiores e houve um pouco de reclamação por conta de falta de informação.

– Não tem ninguém para informar nada. Entramos em uma fila grande e, só depois, ouvimos que tinha outra menor mais na frente. Já estamos há 45 minutos na fila e também há dois portões fechados – protestou a professora Fernanda Alves.

Porém, se as filas na entrada não foram tão grandes, dentro do estádio, elas ficaram enormes nos bares, principalmente no período pouco antes do início da partida e no intervalo do jogo. Torcedores reclamaram bastante da longa espera e da falta de alimentos.

– As máquinas de passar o cartão não funcionam. Há poucos atendentes. Falta comida. A bebida, quando tem, está quente. Muito mal organizado – protestou o torcedor Ramon Aquino.

problemas no Mané Garrincha (Foto: Fabrício Marques)

Segundo a Fifa, foi feito um acompanhamento rigoroso sobre a questão dos alimentos e bebidas e não houve falta de comida. No entanto, admitiram as filas grandes no intervalo e prometeram melhorias para os próximos jogos.

“Depois de um acompanhamento rigoroso sobre a questão dos alimentos e bebidas no estádio em Brasília, podemos confirmar que em nenhum momento a concessionária ficou sem comida. Identificamos somente um problema com a entrega de cachorros-quentes, que foi resolvido durante o primeiro tempo. Oferecemos uma gama completa de produtos à venda no intervalo do jogo. Como em qualquer grande evento esportivo, as filas nas lanchonetes eram longas no intervalo. Estamos constantemente monitorando nossos serviços e ajustando o necessário para garantir uma ótima experiência para os torcedores nas próximas partidas”, disse a Fifa, em nota.

Assentos inexistentes e ingressos caros posicionados no ‘teto’

Outro problema que já havia incomodado torcedores no jogo entre Santos e Flamengo, no dia 26 de maio, voltou a acontecer neste sábado: os assentos inexistentes. Muitos torcedores não encontraram o local identificado nos ingressos. Em alguns casos, como do estuadante Lucas Assis, o problema foi solucionado.

– Procurei o pessoal da Fifa e me indicaram para outro assento em um lugar até melhor que o meu. Consegui resolver rápido – contou.

problemas no Mané Garrincha (Foto: Fabrício Marques)

No entanto, muitos outros não tiveram a mesma sorte. Foi o caso do servidor federal Luiz Gustavo Duarte, que comprou o ingresso para o setor 407, na fileira T, cadeira 33. No entanto, só havia até o número 32.

– Acho um absurdo. Procuramos o pessoal da Fifa e nos ofereceram sentar em outro setor, atrás do gol. Ia ficar longe da família e em um lugar pior. Preferi sentar no degrau da arquibancada mesmo – reclamou o torcedor, acompanhado de vários outros que sofreram com o mesmo problema.

Segundo a Fifa, o atraso na conclusão do Mané Garrincha (inaugurado apenas em maio) causou os problemas na distribuição dos lugares:

“Devido à entrega do estádio pouco tempo antes do início da Copa das Confederações da FIFA, alguns ajustes precisaram ser feitos na distribuição dos assentos. Entramos em contato com as pessoas que poderiam ser prejudicadas por este problema e contamos com uma equipe de apoio no local para realocar as pessoas. Tínhamos ingressos de contingência exatamente prevendo estes casos, algo comum em todo grande evento”.

Outra reclamação frequente entre os torcedores foi sobre a divisão do mapa de assentos. Um grupo que comprou ingressos da categoria 1, a mais cara (R$ 266), acabou sentando na última fileira do estádio.

– É uma vergonha. Não deram um mapa para escolhermos os assentos. Compramos pensando que ficaríamos mais perto do campo e acabamos sentando na última fila. Isso não pode acontecer – protestou o médico Lázaro Miranda, de 63 anos.

Banheiros fechados e dificuldades com internet móvel

Outra reclamação dos torcedores foi com relação ao fraco sinal de internet móvel. Os celulares funcionaram para ligações, no entanto, foi uma missão complicada acessar sites ou postar fotos em redes sociais.

– Consegui ligar para casa, mas a internet está muito difícil. Isso é ruim, porque hoje em quase todo mundo usa a internet no celular – disse o economista Leonardo Cardozo.

Alguns torcedores também reclamaram de filas nos banheiros, principalmente na hora do intervalo da partida. No nível das arquibancadas inferiores, a reportagem do GLOBOESPORTE.COM também flagrou alguns banheiros fechados.

– A espera não está tão grande e não incomoda tanto, mas um estádio deste tamanho precisava de mais banheiros – afirmou o empresário Cleonaldo Andrade.

Cadeirantes elogiam acessibilidade e beleza impressiona japoneses

Apesar dos problemas, houve um ponto da organização que recebeu muitos elogios: a acessibilidade. Usuários de cadeiras de roda ficaram satisfeitos com o estacionamento e o acesso às arquibancadas.

cadeirante mané garrincha (Foto: Fabrício Marques)– Foi muito bom. Viemos de São Paulo. Conseguimos retirar o ingresso sem dificuldades, ganhamos autorização para estacionar dentro do estádio e entramos sem problemas. A organização está muito boa – disse o empresário Felipe Costa, que foi ao jogo ao lado da esposa, também cadeirante, e da mãe.
A beleza do Mané Garrincha também chamou a atenção do Japão, que vieram da Ásia apenas para acompanhar a Copa das Confederações.

– A cidade de Brasília é muito bonita e este estádio ficou fantástico. A organização precisa melhorar um pouco, é verdade. No Japão não temos tantas filas. Mas gostei e ficaria mais felizes se tivéssemos vencido – afirmou o analista de marketing Ken Sato.

– Foi legal. O estádio é bonito e o Brasil venceu. Mas ainda tem muito o que melhorar. Faltou sinalização e orientação na entrada e dentro do estádio. As filas dos bares estavam impossíveis. Com certeza, vão precisar rever estas coisas para a Copa do Mundo do ano que vem – completou ao fim do jogo o torcedor brasileiro Rodrigo Freitas.

 

FONTE: http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-das-confederacoes/noticia/2013/06/teste-para-2014-mane-garrincha-sofre-com-protestos-bares-e-assentos.html

Publicar Comentário

*