joão gilberto vaz joao gilberto vaz

Arena baiana muda para se adequar aos padrões Fifa

Sob gestão do COL desde o final de maio, Fonte Nova passa por reparos finais na cobertura e recebe a montagem de estruturas temporárias

Dois meses após a inauguração, a Arena Fonte Nova está de novo em obras, mas desta vez para os ajustes finais para receber a Copa das Confederações. O estádio será palco de três partidas do torneio: Nigéria x Uruguai no dia 20 de junho, Brasil x Itália no dia 22 e a disputa do 3º lugar no dia 30.
Sob tutela da Fifa desde o último dia 29, a arena baiana tem sofrido desde então algumas alterações para passar do “modo legado” para o “modo evento-Fifa”. Entre as mudanças visíveis ao olho do torcedor, estão o banco de reservas nivelado, as novas traves e a tribuna de imprensa.

– Na verdade, a Fifa faz algumas alterações em função da dimensão do evento, que atrai meios de comunicação de todas as partes do mundo. Como legado, o equipamento não estava adequado ao que a Fifa pedia. Por isso, foram necessárias algumas modificações – disse José Luís Góes, diretor de Engenharia da Arena Fonte Nova e responsável pela manutenção do estádio durante o período de administração da entidade máxima do futebol.

No entanto, um contratempo no final do mês passado causou problemas para a Arena e demandou um trabalho que não estava nos planos. O rompimento de uma das membranas da cobertura do estádio abriu um clarão no teto da arena e trouxe preocupação a todos os envolvidos na Copa das Confederações. Na ocasião, a Fonte Nova Participações afirmou que o incidente havia sido causado por um erro humano e localizado. O problema foi resolvido quase 15 dias depois.

– Na semana passada, concluímos a soldagem lateral da cobertura que foi danificada. O painel já foi recuperado desde o dia 9, e depois soldamos as partes laterais para não ter o perigo de ter infiltrações por causa da chuva – contou Góes ao GLOBOESPORTE.COM.

Após a Copa das Confederações, algumas estruturas específicas para o evento deixarão de fazer parte do estádio até o ano que vem, quando serão remontadas para a Copa do Mundo. É o caso da arquibancada móvel, com capacidade para 5 mil pessoas, construída no local onde fica a abertura da “ferradura” da Arena, voltada para o Dique do Tororó, tradicional ponto turístico da cidade. O mesmo vai ocorrer com os novos setores destinados à imprensa.

– A zona mista, por exemplo, que vai reunir uma quantidade enorme de jornalistas, quase dez vezes mais do que no projeto original. Precisamos fazer algumas adequações de layout. Criamos uma estrutura provisória, que ocupa uma área do estacionamento. A tribuna de imprensa também precisou ser readequada. Tivemos que mudar toda uma infraestrutura para esse ambiente, como pontes de metal para passar a imensa quantidade de cabos. A tribuna ficará no mesmo local, mas foi ampliada e ganhou mais bancadas – explica o representante da Arena.

Os bancos de reservas, agora no nível do campo, também voltarão ao modelo original depois da Copa das Confederações, conta Góes.

– Os bancos de reservas foram adequados para ficar no nível do solo, conforme as exigências da Fifa. Esse foi um problema que aconteceu em outros três ou quatro estádios. Depois da Copa das Confederações eles voltam a ficar abaixo do nível do solo – disse.

Houve ainda a alteração da cadeira dos bancos de reserva. Saíram de cena os assentos acolchoados para a entrada dos bancos retráteis, semelhantes aos que foram utilizados na arquibancada, mas na cor vermelha.

Após pequeno impasse, vidros saem de cena

Uma recomendação da Fifa que tinha restrição da Arena Fonte Nova será seguida pela administradora do estádio. Os vidros que separam os torcedores na praça esportiva serão retirados. A Arena Fonte Nova tentou manter as barreiras até o último momento, mas decidiu ceder. De acordo com o diretor de Engenharia, a mudança ocorre diante da adequação à política de venda de ingressos feita pela Fifa.

– As divisões de vidro entre os setores são fundamentais para nós, que fazemos cobrança de ingressos com preços diferenciados. Estamos retirando essas divisões, já que a Fifa faz a venda de ingressos de outra forma – conta Góes.

O custo com a operação é de R$ 250 mil e será da Arena Fonte Nova. A administração do estádio promete analisar o comportamento do torcedor durante a Copa das Confederações. Devido ao custo da retirada dos paineis de vidro, a estrutura só deve voltar ao seu lugar de origem depois da Copa do Mundo, em 2014. Entretanto, a possibilidade de reinstalação logo após o torneio deste ano está aberta a análise.
– Vamos retirar os vidros e vamos recolocá-los somente após a Copa do Mundo. Essa operação vai custar R$ 250 mil e será custeada pela Arena. Durante a Copa das Confederações, vamos observar o comportamento do torcedor sem os vidros – disse Góes.

Estacionamentos para comércio e convidados

Durante a Copa das Confederações, o edifício-garagem da Arena Fonte Nova será pouco utilizado. O nível superior, que fica na entrada da Ladeira da Fonte, será usado como área comercial da Fifa para venda de produtos licenciados – entre eles o acarajé. O pavimento inferior será área de suporte para o torneio. Já o estacionamento da antiga tribuna de imprensa, com entrada na Ladeira da Fonte, receberá apenas grandes autoridades e convidados da entidade máxima do futebol.

– O prédio do estacionamento será transformado em comercial display da Fifa durante a Copa das Confederações. Já o estacionamento que fica abaixo das arquibancadas receberá convidados VIP’s da Fifa – explica Goés.

À espera da bola: gramado pronto e preparado
O gramado da Arena Fonte Nova não precisará passar por adequações, uma vez que já se encontra dentro dos padrões da Fifa. Apesar da atual falta de marcações, o tapete não precisará de novas medidas, já que se enquadra no padrão de eventos como a Copa das Confederações e do Mundo.

– O gramado não precisará passar por readequação. As medidas dele são de 105 x 68 m, já foi construído dentro do padrão Fifa. Também não será preciso um corte diferente na grama, que atende às exigências da entidade máxima do futebol. A drenagem da Fonte Nova é a vácuo, também está dentro do Padrão Fifa – conta Goés.

Estruturas temporárias ainda em fase final de montagem

O Centro de Mídia e a sala de conferência ainda estão em fase final de montagem. Com capacidades para receber 400 profissionais, a estrutura está sob responsabilidade da Secopa, que atende pelo COL local. No Centro de Mídia, 300 jornalistas e 100 fotógrafos poderão trabalhar ao mesmo tempo.

– A Secopa é responsável pela montagem das estruturas provisórias. Ela é quem monta e desmonta toda essa estrutura provisória para atender a esse momento – explica José Góes.
Segundo José Góes, ainda não há uma data exata sobre a finalização dos trabalhos das estruturas temporárias, mas o engenheiro diz que tudo estará pronto para o jogo entre Uruguai e Nigéria, no próximo dia 20.

– Não podemos informar quando será concluída a instalação. Isso é responsabilidade da Secopa – explica.
Com retoques da Fifa, a nova Fonte Nova, aprovada com algumas restrições pelos baianos entre abril e maio, está pronta para viver os maiores momentos da sua curta história. O estádio tem tudo para fazer bonito nos próximos dias, entrar para a história do futebol mundial e, de quebra, deixar o mundo com um gosto de ‘quero mais’ com data marcada. No ano que vem, o estádio receberá seis jogos da Copa do Mundo.

FONTE: http://globoesporte.globo.com/futebol/copa-das-confederacoes/noticia/2013/06/fonte-da-copa-arena-baiana-muda-para-se-adequar-aos-padroes-fifa.html#equipe-nigeria

Publicar Comentário

*